• CRM Motorsport

Chuva trouxe emoção ao derradeiro dia do Algarve Super Racing Series!

  • Segunda prova da época 2020 do Super Seven by Toyo Tires contou com 3 corridas com o piso molhado

  • Condições atmosféricas difíceis colocaram à prova destreza dos pilotos e equipas

  • José Carlos Pires, Pedro Salvador, Pedro Lacerda, Bernardo Bello, Frederico Brion Sanches e João Rebelo Martins distinguiram-se nas suas categorias



Portimão, 8 de Novembro 2020 — Após um Sábado ameaçador, mas que viria a revelar-se surpreendentemente pacífico no que à meteorologia diz respeito, foi com o piso molhado que os pilotos e equipas do Super Seven by Toyo Tires enfrentaram o último dia do Algarve Super Racing Series. Um factor que, como habitualmente, se traduziu em corridas super imprevisíveis, embora também tenha havido denominadores comuns. Nomeadamente, a competitividade das categorias 420R, S1600 Pro e S1600 Business!

CORRIDA 2

Mesmo a abrir a manhã de Domingo, José Carlos Pires aproveitou o facto de sair novamente da pole-position para assumir a liderança e nunca mais a largar. Contar com a pista livre à sua frente ajudou-o nesse intento, tal como a afinação escolhida pela sua equipa (Atomic-Mageltech). O resto coube ao talento do piloto, que segurou muito bem a ameaça do crónico candidato ao triunfo, Pedro Salvador.

O piloto e diretor de equipa da Speedy Motorsport (Salvador) acabaria mesmo por perder a segunda posição no final da corrida, quando um galopante J. J. Magalhães (Teaam Nuoorte) lhe roubou esse lugar, relegando assim o ‘camisola amarela’, como é conhecido no paddock, para o 3º lugar.




Logo atrás, Diogo Costa (Teaam Nuoorte) teve mais uma corrida disputada ao milímetro, desta feita contra Gonçalo Lobo do Vale (BCM Sports), autor igualmente de uma boa recuperação, e que terminou separado deste por apenas 84 milésimos de segundo! A três décimos deste duo, Luís Calheiros Ferreira (CRM Motorsport) segurou o 8º posto — um resultado agridoce para quem chegou a rodar no 3º lugar, mas reconfortante pela rapidez demonstrada neste tipo de condições.

Seguiram-se Paulo Macedo (CRM Motorsport), David Saraiva (Speedy Motorsport) e Luís Lisboa (Teaam Nuoorte), pilotos que fecharam o top 10 à frente de Duarte Lisboa (Teaam Nuoorte) e Diogo Tavares (CRM Motorsport). O piloto da Auto Restelo (Tavares) nunca se sentiu confortável com o sistema de travagem do seu carro, saindo de pista por diversas vezes, mas ainda assim acumulou pontos importantes para o seu campeonato, concluindo esta primeira corrida do dia à frente de Nélson Gomes (Speedy Motorsport), Paulo Costa (Teaam Nuoorte), Daniel González-Vallinas (BCM Sports), Nuno Afonso (Atomic-Mageltech) e Tiago Sousa (BCM Sports).




Apesar de partir do segundo lugar da grelha, Nuno Santos (CRM Motorsport) viria a abandonar cumpridas apenas 3 voltas da corrida com um problema no sistema de travões do seu carro.

Nos S1600 Pro, o andamento fortíssimo de Bernardo Bello (CRM Motorsport) à chuva permitiu-lhe mesmo acompanhar (e até superar) alguns pilotos da categoria 420R. Mas queixas relacionadas com o alternador do seu carro levaram-no a cair para o segundo lugar da sua categoria, atrás de um Pedro Lacerda (Garagem 19) que continua a provar que tem muito para dar à competição, e que também ficou à frente de pilotos com viaturas mais potentes na classificação geral.

Já entre os S1600 Business, o incontornável Frederico Brion Sanches (BS Motorsport) somou mais um triunfo para o seu currículo, tendo como maior adversário Bruno Martins (Speedy Motorsport) — piloto que também costuma dar-se bem com a chuva, embora tenha admitido que o piso molhado está longe de representar as condições que mais aprecia.

Entre os pilotos britânicos, Jay Macormack ficou à frente de Martin Amison, Keith Asworth, Aman Uppal no confronto particular reservado aos carros inscritos pela McMillan Motorsport.




CORRIDA 3

Se até aqui José Carlos Pires havia sempre partido da 1ª posição da linha da grelha, desta feita essa honra coube a Nuno Santos. O antigo campeão do Super Seven by Toyo Tires havia demonstrado grande rapidez ao longo de todo o fim-de-semana, mas os problemas com a bomba de travões voltaram a manifestar-se apesar de todos os esforços realizados pela sua equipa. Na travagem para a curva 1 caiu para 3º e ainda antes de se cumprir a 1ª volta da corrida entrou para o pitlane, encerrando assim a sua participação no Algarve Super Racing Series.

Na liderança, Pires procurava replicar a estratégia da corrida anterior e sedimentar a diferença para o segundo classificado. Só que Pedro Salvador não se mostrava convencido, socorrendo-se de todos os seus argumentos para contrariar o piloto do carro #53. O melhor que conseguiu, no entanto, foi reduzir a diferença para menos de um segundo e realizar, pelo caminho, a volta mais rápida da corrida. A fechar o pódio, Diogo Tavares, satisfeito com o trabalho realizado na resolução do problema que afetou a sua prestação na corrida anterior.

A 10s do vencedor, J. J. Magalhães concluiu a corrida na 4ª posição, na dianteira de Sérgio Saraiva, Diogo Costa, Luís Calheiros Ferreira, Paulo Macedo, Gonçalo Lobo do Vale e Duarte Lisboa. No 11º lugar, Luís Lisboa, à frente de um comboio liderado por Paulo Costa, Nuno Afonso, Daniel González-Vallinas, José Kol Almeida e Tiago Sousa.

Na S1600 Pro — e já com a questão do alternador solucionada —, Bernardo Bello deu ‘show’ à chuva, concluindo a prova à frente de 5 pilotos da categoria 420R, excluindo-se aqui Nuno Santos, pelas razões já referidas. No confronto direto com Pedro Lacerda, a vantagem voltava a pender para o #57, cabendo ao piloto da Garagem 19 (Lacerda) nova subida ao 2º lugar do pódio. Entre os pilotos da S1600 Business, destaque para João Rebelo Martins, que somou novo triunfo, à frente de Frederico Brion Sanches.




Quanto aos pilotos britânicos da McMillan Motorsport, Martin Amison concluiu a corrida à frente de Keith Ashworth, Aman Uppal e Jay Macormack.




CORRIDA 4

A quarta e última corrida do fim-de-semana contou com a mais espetacular das suas saídas. À entrada para a curva 1, eram quatro os Caterham em posição de assumir a liderança, com José Carlos Pires, Pedro Salvador, Diogo Tavares e J. J. Magalhães a libertarem apenas a margem mínima entre si. Numa palavra, espetacular!

No entanto, seria Pedro Salvador a assumir o comando, embora com forte oposição de Diogo Tavares. Mas o piloto do carro #7 (Tavares) acabaria por falhar por duas vezes a travagem na curva 1, hipotecando as suas hipóteses de chegar ao triunfo. Momento aproveitado por José Carlos Pires, que assim se fixou no segundo posto.

Estas posições manter-se-iam inalteradas até ao final da corrida, mas a luta pelo 3º lugar esteve sempre ao rubro entre J. J. Magalhães e Gonçalo Lobo do Vale. No final, vantagem para J. J., mas apenas pela margem mínima, com Lobo do Vale a concluir o fim-de-semana com a certeza de que tem rapidez para andar sempre na frente.

Noutra batalha muito interessante, Diogo Costa cruzou a linha da meta à frente de Paulo Macedo, com ambos a segurarem atrás de si um Diogo Tavares que recuperou de 12º após a segunda saída na curva 1 para chegar ao fim em 7º lugar. Atrás de si, ocorreram lutas entusiasmantes entre Luís Calheiros Ferreira e David Saraiva, e ainda entre os irmãos Luís e Duarte Lisboa pelo top 10.

Apesar de ter terminado na 12ª posição, Paulo Costa demonstrou um andamento muito semelhante aos seus colegas do Teaam Nuoorte, enquanto Daniel González-Vallinas teve o melhor resultado do fim-de-semana, concluindo esta quarta corrida na dianteira de Nuno Afonso, José Kol Almeida e Tiago Sousa.




Repetindo os feitos das corridas anteriores, Bernardo Bello voltou a deixar em evidência a sua rapidez à chuva, dominando a S1600 Pro e capitalizando nos problemas sofridos por Pedro Lacerda, que cumpriu apenas uma volta com um problema no cabo do acelerador. Já na classe S1600 Business viveu-se novo triunfo de Frederico Brion Sanches, à frente de Bruno Martins e com direito a volta mais rápida na categoria.

Na última batalha entre os pilotos britânicos da McMillan Motorsport, a vantagem pendeu para Keith Ashworth, que terminou à frente de Aman Uppal, Martin Amison e Jay Macormack.

Para Tiago Raposo Magalhães, CEO da CRM Motorsport, “a imprevisibilidade das corridas deste fim-de-semana provam que o Super Seven by Toyo Tires mantém o seu estatuto como um dos mais emocionantes Troféus do automobilismo nacional”.

“Quero agradecer novamente a todos os pilotos e equipas que acudiram a este evento e que, ano após ano, fazem crescer esta enorme família!”, fez notar.




Concluída esta segunda ronda da temporada 2020, a caravana do Super Seven by Toyo Tires viaja agora até ao Circuito do Estoril para a que será a etapa final da competição.

Resultados: https://bit.ly/2U1r44v

Classificação após Algarve Super Racing Series:

420R

1º José Carlos Pires - 206 pts

2º Pedro Salvador - 204 pts

3º J. J. Magalhães - 167 pts

S1600 Pro

1º Bernardo Bello - 245 pts

2º Pedro Lacerda - 196 pts

3º António Nunes Almeida - 86 pts

S1600 Business

1º Frederico Brion Sanches - 240 pts

2º João Rebelo Martins - 218 pts

3º Bruno Martins - 217 pts

176 views
 

©2020 CRM Motorsport, Lda.